Com investimento de R$ 900 mil, a iniciativa beneficiará 3.303 famílias até dezembro de 2020

Mais de 10 milhões de brasileiros vivem em situação de insegurança alimentar e a taxa de desemprego atinge cerca de 14 milhões de pessoas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além disso, o indicador da inflação medido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), registrado neste mês de outubro foi de 0,94%, maior resultado para o mês desde 1995. Diante desse cenário complexo no país, que foi impulsionado pela pandemia do novo coronavírus, o movimento Energia do Bem, iniciativa liderada pelo Grupo Energisa, segue com a missão de contribuir com famílias, comunidades e setores que foram afetados nos 11 estados onde a empresa atua com distribuição de energia.

Uma dessas frentes de apoio é a entrega de cestas básicas a famílias em situação de vulnerabilidade social, iniciativa que tem o apoio Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Nesta semana, a primeira etapa foi finalizada com a distribuição de cerca de 2.500 cestas. No mês de novembro e dezembro acontecerá as próximas etapas. Em Campo Grande, foram entregues 200 cestas básicas no bairros Dom Antônio Barbosa, Residencial José Teruel Filho, Jardim Colorado, Parque dos Sabias, Comunidade da Lagoa e Parque do Sol.

“A parceria com a Unesco é uma iniciativa de extrema importância porque contribui com a necessidade de famílias carentes que enfrentam dificuldades para colocar alimento dentro de suas casas. Nós, temos o compromisso de levar conforto às pessoas por meio da energia, e as ações de solidariedade nos permitem ajudar também aqueles que mais precisam a minimizarem os efeitos da pandemia num momento tão delicado como este”, afirma o diretor-presidente, Marcelo Vinhaes.

Para a dona Rosa Lúcia Cristaldo, que mora com mais 7 pessoas em sua residência e a família depende da reciclagem para o seu sustento, a cesta básica chegou em um bom momento, principalmente por causa das crianças. “Com a pandemia, estamos passando dificuldades e só tenho agradecer a Energia do Bem por essa ajuda,” ressaltou Rosa.

O projeto conta com o apoio de organizações da sociedade civil e de lideranças comunitárias locais indicadas pela UNESCO. Juntas, as entidades identificaram os grupos afetados pela crise e, em seguida, montaram as cestas com alimentos adquiridos em estabelecimentos comerciais locais. Além de beneficiar as famílias durante três meses, a iniciativa ajuda a movimentar a economia das cidades e dos bairros atendidos.

“O mundo está desafiado pela pandemia da covid-19. E com isso, torna-se necessário que coordenemos ações de solidariedade e engajamento para minimizar os efeitos da pandemia. Nosso objetivo é apoiar aqueles que mais precisam, como famílias e comunidades que foram afetadas durante essa crise, além de contribuir com as organizações da sociedade civil e lideranças comunitárias na distribuição de alimentos e produtos de higiene”, diz Marlova Noleto, diretora e representante da UNESCO no Brasil.

Sobre a Energisa

Com 115 anos de história, o Grupo Energisa é o 5º maior em distribuição de energia elétrica. Uma das primeiras empresas a abrir capital no Brasil, a companhia controla 11 distribuidoras em Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo, Paraná, Rondônia e Acre. Com receita líquida anual de R$ 16,9 bilhões (ano 2019), o Grupo atende a 7,8 milhões de clientes (o que representa uma população atendida de aproximadamente 20 milhões de pessoas) em 862 municípios de todas as regiões do Brasil, além de gerar cerca de 20,5 mil empregos diretos e indiretos.

Com a missão de transformar energia em conforto, desenvolvimento e oportunidades de forma sustentável, responsável e ética, a Energisa atua com um portfólio diversificado que engloba distribuição, geração, transmissão, serviços para o setor elétrico (Energisa Soluções), serviços especializados de Call Center (Multi Energisa), comercialização de energia (Energisa Comercializadora) e soluções em energias renováveis (Alsol).

COMPARTILHAR